Terça, 02 de janeiro de 2018, 11h52
Tamanho do texto A- A+


Opinião

Esperança para 2018

Mulheres vítimas de delito sexual precisam do apoio das demais

O medo tomou conta do gênero feminino em 2017, segundo Eliane Brum in El País. Porém, nem tudo foi retrocesso. Importantes fatos ocorreram, revelando que as mulheres estão prontas para o embate, se necessário for.

A preocupação assolou, no ano que passou. Vivemos situações terríveis, com gosto de derrota aos direitos das mulheres. Todavia, a realidade mostrou que em se cuidando de direitos humanos, retroceder fica quase impossível.

Músicas com contexto feminista, sites, hashtags, youtubers e a mídia em geral, deixou evidente o quanto é difícil a desconstrução de direitos já alcançados. Pronunciar palavras agressivas às mulheres, disfarçadas de "cantadas", recebeu por elas outro tratamento.

E foi assim no ano que passou. Dizer qualquer coisa como "gostosa" para uma jovem, é, nos dias atuais, pedir para receber em troca um "te liga". E não adianta tentar explicar se cuidar de carinho, porquanto, é assédio mesmo.

E cada vez que o homem tentou esclarecer as suas atitudes agressivas, ficou pior. Resta a eles a compreensão de que o mundo mudou, ou melhor, evoluiu.

A adequação é o que se espera. Não há qualquer complacência com atitudes maldosas, disfarçadas de "bondades" ou "bem querer".

Não é possível ejacular em mulheres nos metrôs, ônibus, aviões, ou qualquer outro meio de transporte. Não é possível passar as mãos nas partes íntimas femininas nas ruas ou corredores. Não é possível dar "tapinhas inocentes". Não é possível olhares que despem.

Não é possível tirar para fora da calça as partes reservadas e ostentá-las como troféu. Não é possível emitir comentários sexuais em locais públicos. Não é possível abraçar efusivamente como se quisesse algo mais. Não é possível encostar para um cumprimento lambendo o rosto da mulher. Não é possível o assédio sexual no ambiente de trabalho. Muito deixou de ser possível...

A facilidade de mobilização pelas redes sociais fez destruir, romper, detonar, costumes machistas presenciados cotidianamente. E quando os grupos de mulheres passaram a conversar relatando os fatos do dia-a-dia, percebeu-se que a sonoridade move a natureza feminina.

O ano de 2017, nos EUA, começou com a marcha das mulheres contra o presidente Trump, terminando com a derrocada dos abusadores de Hollywood. Em "terras brasilis" não foi diferente. Ainda que superpoderosos ou autoridades, as máscaras despencam.

Não é aceitável assediar, abusar, estuprar ou cantar. A passos lentos, as brasileiras rompem o silêncio. Redações de jornais, hospitais, poder público, universidades, coxias, nada mais é inalcançável para as mulheres. Elas, agora, não se calarão.

O feminismo traça tessituras encampadas pelo movimento negro e LGBTQ, e avança. Fica complicado para o homem branco e heterossexual compreender que já tem que dividir poder e privilégios.

É o término do autoconsentimento do homem sobre a mulher, que dantes era visível e produzido pelo preconceito, silêncio, e, domínio.

O direito de macho o acompanhava desde o nascimento, juntamente com o órgão sexual. É fácil ganhar poder, o difícil é dividir.

Não pode mais: bater em mulher; assediar e abusar de mulheres; violentar mulheres. Com o consentimento, tudo pode. Sem o consentimento ou com vício, nada pode. Se em qualquer momento o consentimento for modificado, a atitude deve mudar imediatamente.

No ano que se inicia, elas devem continuar andando juntas, de mãos dadas, ao lado de homens capazes de escutar e discorrer de igual para igual. A solidariedade com aquelas que se encontram no ciclo de violência doméstica, sem o julgamento dolorido, é primordial.

As mulheres vítimas dos delitos sexuais precisam do apoio incondicional das demais.

As mulheres se movem, e não é para trás...

ROSANA LEITE DE BARROS é defensora pública estadual em Mato Grosso.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2013 - Todos os direitos reservados