Domingo, 16 de julho de 2017, 08h07
Tamanho do texto A- A+


Judiciário / Sodoma

Magistrada estuda se vai colocar bens de Silval a leião ou repassá-los ao Estado

Isso porque, antes de deixar o Centro de Custódia de Cuiabá, o ex-governador além de decidir confessar os crimes, ofereceu R$ 46 milhões em bens para perimento imediato



A juíza Selma Rosane Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, estuda se vai colocar os bens do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) a leilão para fazer dinheiro ou se vai repassá-lo direto ao Estado.

 

Isso porque, antes de deixar o Centro de Custódia de Cuiabá, o ex-governador além de decidir confessar os crimes, ofereceu R$ 46 milhões em bens para perimento imediato.

 

São eles: um lote em Sinop avaliado em R$ 860 mil; uma área em Peixoto de Azevedo avaliada em R$ 33,1 milhões; uma Fazenda em Peixoto de Azevedo avaliada em R$ 10, 4 milhões; uma aeronave no valor de R$ 900 mil e um imóvel em Cuiabá avaliado em R$ 1,2 milhão.

 

“Ele já entregou os bens, as duas fazendas, uma área grande próximo a Rodoviária de Cuiabá, onde tem uma casa de amparo e um terreno em Sorriso, além de um avião. O que nós fizemos foi colocar em disposição do Estado de Mato Grosso esses bens da forma como eles estão servem ao Estado, ou seja, se a fazenda vai servir, por exemplo, para reforma agrária para colocar alguma coisa bem social para o próprio Estado. Não há necessidade de a gente levar a fazenda a leilão. O avião, por exemplo, já consultei o secretário de segurança se ele tem interesse para usar o avião para combater a criminalidade. Estou aguardando a resposta. Consultei o secretário Modesto no sentido de saber se os outros bens interessam ao Estado e ele já acionou o Intermat, que já está vendo essa questão se a terra pode valer a pena pegar. O terreno de Sorriso pode usar para construir um hospital. Tem várias utilidades. Estamos avaliando para ver se quer o bem em si ou transformar em dinheiro e repassar para o Estado”, pontuou.

 

Questionado sobre as solturas dos réus da Operação Sodoma, Selma esclareceu que obtiveram a liberdade porque teriam mudado as posturas no processo.

 

“Gostaria de esclarecer no sentido de que as pessoas que foram postas em liberdade ou em prisão domiciliar, no caso do Silval e do Silvio César, essas pessoas obtiveram benefício de prisão domiciliar, mas porque mudaram a atitude. No processo eles haviam inicialmente se comportados como pessoas que não estavam colaborando, não atrapalhando, não fazendo pedido sabidamente improcedente, enfim. No começo da instrução processual havia uma resistência muito grande. Uma vez, em determinada ocasião o ex-governador chegou a me dizer que bastava falar o nome dele que a pessoa era solta, que ele estava virando carta de negociação para soltura de pessoas. A partir do momento em que ele se conscientizou que a verdade estava vindo à tona, resolveu confessar os crimes e principalmente, resolveu ressarcir o erário. Pelo menos parcialmente. Então, nós temos uma mudança de conduta processual e é isso que faz a diferença entre eles e as pessoas que estão presas ainda”, finalizou.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2013 - Todos os direitos reservados